topo

Semana da Consciência Negra: Indicações da Assojubs de biografias de personalidades brasileiras

Lubi Prates
Brasileira, nascida no ano de 1986, em São Paulo, é poeta, tradutora, editora e curadora de literatura. Com três livros publicados, tem participação em diversas coletâneas e revistas nacionais e internacionais.

Fundadora da nosotros, editorial, Lubi Prates é responsável também pela revista literária Parênteses. Se dedica a ações que combatem a invisibilidade de mulheres e negros e é doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento Humano, na Universidade de São Paulo.

Organizou os festivais literários para visibilidade de poetas, o “Eu sou poeta”, em São Paulo, no ano de 2016, e “Otro modo de ser”, em Barcelona, na Espanha, no ano de 2018. Participou de festivais literários no Brasil, como o de Votuporanga, e em países da América Latina, no Uruguai e Argentina, com o La Juntada, de poesia jovem.

É a tradutora da Poesia Completa de Maya Angelou, publicada em 2020, foi uma das organizadoras de GOLPE: antologia-manifesto, que reúne diferentes artistas sobre os rumos da política brasileira, e uma das curadoras do Clube de Leitura Antirracista, que aconteceu durante o ano de 2019, no Centro Cultural São Paulo.

PARA ESTE PAÍS – Lubi Prates

para este país
eu traria

os documentos que me tornam gente
os documentos que comprovam: eu existo
parece bobagem, mas aqui
eu ainda não tenho esta certeza: existo.

para este país
eu traria

meu diploma os livros que eu li
minha caixa de fotografias
meus aparelhos eletrônicos
minhas melhores calcinhas

para este país
eu traria
meu corpo

para este país
eu traria todas essas coisas
& mais, mas

não me permitiram malas

: o espaço era pequeno demais

aquele navio poderia afundar
aquele avião poderia partir-se

com o peso que tem uma vida.

para este país
eu trouxe

a cor da minha pele
meu cabelo crespo
meu idioma materno
minhas comidas preferidas
na memória da minha língua

para este país
eu trouxe

meus orixás
sobre a minha cabeça
toda minha árvore genealógica
antepassados, as raízes

para este país
eu trouxe todas essas coisas
& mais

: ninguém notou,
mas minha bagagem pesa tanto.

***

Ele não me viu com a roupa da escola, mãe? (Marcos Vinicius da Silva, 14 anos, assassinado pela Polícia Militar do Rio de Janeiro)

e ainda que
eu trouxesse

para este país

meus documentos
meu diploma
todos os livros que li
meus aparelhos eletrônicos ou
minhas melhores calcinhas

só veriam
meu corpo

um corpo
negro.

Obras: Coração na boca (2012); Triz (2016); Um corpo negro (2018); Golpe: Antologia-manifesto (2017, organização); Poesia Completa, Maya Angelou (2020, tradução).