Assojubs e Sintrajus presentes na Audiência Pública contra a PEC 6/2019

A Assojubs e o Sintrajus estiveram na tarde de segunda-feira, 25 de março, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), no Auditório Paulo Kobayashi, presentes na Audiência Pública contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, que trata sobre a Reforma da Previdência.

De iniciativa do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL), e um pedido da Frente Paulista em Defesa da Previdência, a Audiência Pública teve a participação de entidades representativas dos judiciários, sindicatos, federações e confederações de servidores. A Assojubs marcou presença com Regina Helena Assis, presidente, e o Sintrajus com Michel Iorio Gonçalves, coordenador geral.

Os representantes que fizeram uso da palavra criticaram a PEC 6/2019, a política de ataque aos trabalhadores e retirada de direitos. E reforçaram que somente a unidade das categorias é capaz de derrubar o conjunto da Reforma e não fatiar e requerer emendas priorizando alguns setores da sociedade.

Michel Iorio Gonçalves, que também é do Conselho Fiscal da Assojubs, iniciou sua explanação esclarecendo a todos que há uma confusão quando se fala, de um modo geral, do Judiciário. Recentemente houve um aumento dentro do Judiciário, mas tal majoração não recai sobre os servidores e, sim, é aplicado apenas aos magistrados.

Em seguida, declarou: “Estivemos juntos ontem em relação à Reforma da Previdência do Temer [Michel Temer, ex-presidente], estamos juntos hoje e vamos continuar juntos. Gostaria de ter um compromisso de todos aqui presentes que continuem conosco, pois não adianta falar que é servidor e depois estar aqui só para retirar a própria categoria da proposta. A gente tem que ter um posicionamento uniforme de contrariedade à essa Reforma da Previdência, que, na verdade, está retirando direitos de todos nós, de todos os trabalhadores”.

Além de Giannazi, estiveram presentes na Audiência Pública os deputados Paulo Fiorilo (PT), Adriana Borgo (PROS), Delegado Olim (PP) e o vereador Celso Giannazi (PSOL).

Ao final, foram deliberadas as seguintes ações:

1) Dia 29/3, 14 horas, mobilização em frente ao INSS no Viaduto Santa Efigênia (Capital);

2) Fazer discussões e esclarecimentos nos locais de trabalho, estudo, nos bairros e terminais de transporte público no intuito de trazer a população para as ruas;

3) Dia 15/4, 14 horas, debate na Associação dos Advogados Trabalhistas (Av. Marquês de São Vicente, 446, Barra Funda, Capital);

4) Dia 25/4, Audiência da Frente Parlamentar dos Aposentados da Alesp;

5) Propor aos deputados a criação da Frente Parlamentar Estadual em Defesa da Previdência Pública;

6) Construir a Greve Geral em conjunto com as Centrais Sindicais e Movimentos Populares, fortalecer a unidade dos trabalhadores e focar na implementação da paralisação.