Audiência Pública é realizada na Alesp sobre a questão dos assistentes sociais aprovados e não nomea

Na noite de 22 de agosto, o Plenário Tiradentes da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) reuniu, em uma Audiência Pública, os candidatos aprovados no concurso de 2017 e não nomeados para assistente social judiciário do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), as entidades representativas dos trabalhadores, como a Assojubs e o Sintrajus, e membros das equipes técnicas de várias comarcas, inclusive da Baixada Santista.

A Audiência Pública para debater essa questão dos profissionais aprovados no concurso realizado em 2017 foi uma iniciativa do deputado Carlos Giannazi (PSOL), que entende ser imediata as providências a serem tomadas para a nomeação efetiva desses assistentes sociais, pois há um déficit de funcionários no Tribunal de Justiça para tal cargo.

“Tem que chamar todo mundo. E nós, enquanto Assembleia Legislativa, vamos aprovar o orçamento para o ano que vem. Eu mesmo vou apresentar várias emendas para que haja destinação de recursos para a chamada de todos os aprovados no concurso”, ressaltou o deputado.

Fernanda Copelli, psicóloga e 1ª secretária da Assojubs, fez uso da palavra e reforçou a importância das nomeações, uma vez que os profissionais estão com excesso de trabalho: “Estamos sobrecarregados porque há defasagem do número de profissionais e um aumento da demanda de serviço, uma vez que as novas legislações dos últimos anos foram acrescendo nossas atribuições dentro do Tribunal, tal como a lei do Depoimento Especial”.

A 1ª secretária da Assojubs complementou sua explanação informando acerca de dados em relação aos afastamentos psiquiátricos, pois é de conhecimento o alto índice de acometimento de doenças, como dores crônicas, entre outras, sabidamente correlacionada ao estresse.

Fotos: Sintrajus, Sindjesp e AASPSI Brasil/Ana Carolina Rios