Comissão de Segurança: nova reunião entre oficiais de justiça, representantes e TJ é realizada

Em continuidade às tratativas pela Comissão de Segurança, entre os oficiais de justiça, representantes das entidades dos servidores, como a Assojubs e o Sintrajus, e o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), uma nova reunião foi realizada na manhã desta quinta-feira, 7 de julho, no Palácio da Justiça, na Capital.

DSCN3370

Antes do início da discussão, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, foi ao encontro dos servidores para cumprimentá-los, mas quem conduziu o debate foi o capitão Marcelo Henrique da Silva, da Polícia Militar.

De acordo com o capitão, nesses 30 dias de experiência da Linha Segura, o saldo foi positivo e está bem encaminhado. Foram feitos sete atendimentos, com cinco casos na Capital e dois no Interior, sendo apenas uma situação mais problemática, um fato isolado.

Silva informou aos presentes que enviaria um questionário pedindo que respondam e mandem de volta, pois a partir dele serão iniciados os procedimentos padrão para serem implantados em todo o Estado. Um tipo de enquete do qual sairá a minuta para posterior aprovação dos procedimentos em uma nova reunião da Comissão de Segurança.

DSCN3351

Claudia Damião, Catarina Lutfi Morgado e Eliana Maria dos Santos, 1ª secretária, diretora de Organização Política e Sindical da Assojubs e diretora regional na Barra Funda e representantes do Sintrajus, fizeram um pedido ao capitão: a possibilidade de mapeamento das áreas de risco na Baixada Santista. Em diligências, muitos oficiais de justiça têm sua entrada impedida em certos lugares, considerados perigosos por eles, e os juízes não compreendem a situação, acabando por classificá-los como negligentes.

“Nós gostaríamos do respaldo da PM”, ressaltou Claudia Damião, oficial de justiça da Seção Administrativa de Distribuição de Mandados de São Vicente. Catarina Morgado, da SADM de Santos, reforçou a solicitação ao capitão, que sinalizou a possibilidade de efetuar o mapeamento sobre as áreas de risco na região e indicou que haja uma reunião dos servidores com a Polícia Militar da Baixada Santista visando estreitar o contato entre as partes.

A próxima discussão ficou agendada para 1 de setembro, às 11 horas, também no Palácio da Justiça.